Rio Negro Challenge revela campeões e amazonenses são destaques nas provas de mil e quinhentos quilômetros

01 MAI 2017
01 de Maio de 2017
Os amazonenses Matheus Andrade (20 anos) e Isabele Farias (13 anos) foram os vencedores.
Fotos: Antônio Lima/SEJEL
Um clima ameno tomou conta da Ponta Negra na manhã deste domingo, dia 30, quando ocorreu o Rio Negro Challenge. Diante das águas calmas e escuras do imponente afluente prevaleceu na disputa de 1,5km nomes da terrinha baré, como dos medalhistas de ouro Matheus Andrade e Isabele Farias, e nos 3Km atletas de outros estados, caso de Catarina Cucatti e Flávio Saraiva, primeira colocação geral da prova. A competição de águas abertas foi disputada por 210 nadadores, sendo 32 de outras capitais do País, e recebeu apoio do Governo do Amazonas, via Secretaria de Estado de Juventude, Esporte e Lazer (Sejel).

Um dos nomes que mais chamou atenção ao ocupar o lugar mais desejado do pódio foi Isabele Farias. Aos 13 anos, essa foi a primeira prova de águas abertas da nadadora, que iniciou aos 10 anos de idade na natação, e há duas semanas foi convidada pelo seu técnico, Celso Carvalho, a participar da prova. Desafio aceito, uma semana de preparação, e eis que surge um novo nome a ser batido na tradicional competição.

“Achei tranquila a prova, tive que forçar bem o braço e essa foi minha principal dificuldade, mas eu consegui sair pela frente, procurei ir pela ponta e sempre liderando. É minha primeira prova, estou surpresa, e eu gosto muito de provas de fundo, mas treinar específico para essa competição eu comecei semana passada. A ficha ainda não caiu sobre essa vitória, mas creio que vou começar a pensar a focar em provas como essa e estou bem animada com esse resultado”, disse a atleta do Cirmman, que finalizou a disputa em 25min27seg.

Orgulhoso da pupila, o técnico Celso Carvalho afirma que não se surpreendeu com a vitória de Isabele. “Ela é uma promessa e eu já venho trabalhando ela algum tempo atrás. O técnico tem a possibilidade de trabalhar dois tipos de atleta: o velocista e o fundista. Se você tem a possibilidade de um fundista, tem que ser aproveitado. Essa facilidade para provas assim é dela e a partir desta premiação posso dizer que ela é um futuro do esporte. Sempre acreditei nela desde o Mirim e dizia que ela seria uma grande nadadora. Continuo a acreditar nisso e os resultados começam a aparecer. Eu já esperava esse resultado e confiava nisso”, destacou.

Conhecido do pódio

O amazonense Matheus Andrade, 20, faturou o primeiro lugar após cravar a prova em 20min34seg. Ano passado, o nadador havia participado do mesmo evento, mas ficou na segunda colocação. Descontando o ‘vice’, o atleta abriu frente ao principal adversário, Felipe Augusto, em quase dez segundos e vibrou ao cruzar a linha de chegada. Após se dar bem no rio, agora o nadador vai focar nas piscinas. Isso porque, ele pretende disputar o Brasileiro e tem a meta de bater nos próximos meses alguns recordes locais.

“Ano passado, perdi para um cara de fora, e na época eu tinha parado de competir devido a faculdade. Agora estou voltando meu treino muito para a velocidade, pois estamos querendo bater os recordes de revezamento de 100 e 200 livres do absoluto aqui do Amazonas, porém, como desde pequeno eu treino, ainda tenho gás para provas de fundo. Desta vez, larguei entre os três primeiros, a partir do meio fiquei só com o Felipe, consegui dar o sprint final e ainda baixei meu tempo. Estou bem feliz”, disse o atleta, que anota 12 anos de carreira e representa a Aquática Amazonas.

3Km – Vencedores

Primeira vez em Manaus, Catarina Cucatti comemorou a medalha dourada na disputa dos 3Km, depois de terminar a prova em 39min49seg, bem à frente da segunda colocada, Elysa Oliveira, que marcou 44min46seg. Mas a empolgação, segunda ela, era tambem pela oportunidade em disputar uma prova no Rio Negro e conhecer Manaus, capital essa que ela ouvia falar muito bem.  
“Já imaginava que a prova seria difícil aqui, por conta que aqui não temos a flutuabilidade, que acontece quando a água é salgada, e muitas provas que eu faço são no mar. Assim, tive que ter um abdômen mais forte para segurar o tronco, mas a visibilidade estava ótima e hoje a água estava uma piscina, a corrente calma, e o calor que eu estava com medo, estava tranquilo. Fiquei muito feliz com o resultado e com essa diversidade de poder nadar em rio, com temperatura diferente. Além disso, fiquei impressionada com a organização do evento, o carinho com cada detalhe, é muito difícil ter isso lá fora. Eu vinha com muita expectativa para Manaus, pois muita gente me falou bem da cidade, e fui totalmente correspondida. Vou indicar esse estado para outros atletas”, disse a nadadora profissional.

Catarina, que é da Universidade Santa Cecília (Unisanta), inclusive, está perto de ser a única brasileira a concluir todas as provas do FINA Open Water Swimming Grand Prix. A última prova do mundial foi feita no dia 5 de fevereiro, na Argentina. As próximas etapas são em junho, no Canadá, seguida da Macedônia, em agosto, e na Itália, em setembro.

De Roraima para Manaus, Flávio Saraiva já é conhecido dos pódios amazonenses quando o assunto é águas abertas. Ano passado, ele faturou ouro pela Almirante Tamandaré e, agora, no mesmo cenário, repete o feito e ‘leva’ o Rio Negro Challenge por exato um segundo, 40min35seg, quando na linha de chegada bateu o amazonense Felipe Costa, que é irmão de Mateus Andrade (vencedor dos 1,5Km).

“Foi muito difícil, consegui vencer ali no finalzinho. Na verdade, eu mesmo fiquei em dúvida de quem havia vencido e quando anunciaram meu nome fiquei super emocionado. Fico sempre feliz de vir aqui e ganhar e só posso dedicar essa minha vitória ao meu técnico, que tambem é meu pai, Silvio José Ferreira, meus amigos e patrocinadores”, disse o atleta do Sinpol.

Tal mãe, tal filha

Antes dos adultos entrarem na água para disputar o Rio Negro Challenge, as crianças deram braçadas fortes pelo Circuito Curumim, com percurso de 500 metros. Pela Mirim I, o grande destaque foi Fernanda Yuri Sasai, sobrenome este famoso nas provas de águas abertas, devido a atleta Yuri Sasai. A pequena é filha da atleta, que é figurinha certa nas competições.

“Minha mãe é uma inspiração para mim e fico feliz por poder treinar com ela e participar de uma prova em que ela tambem vai disputar. Torcemos uma pela outra e quero continuar que nem ela, nadando sempre”, disse a garotinha de 10 anos, que finalizou a competição em 8min07seg. A segunda colocação ficou com Alexandra da Silva, 9min15seg, e a terceira com para Kathleen Manoella, 9min23seg.

Para a mãe, que ocupou a terceira colocação nos 3Km, a emoção em participar de uma prova como essa é redobrada ao lado da filha. “Eu sempre gostei de natação, tive que parar por anos devido a minha carreira de dentista, e depois que tive a Fernanda retornei ao esporte. Poder competir aos 47 anos, e ficar em terceiro diante de tantas atletas novas, é algo maravilhoso, ainda mais passando isso para minha filha”, disse Yuri Sasai.


Matéria: SEJEL/Assessoria de Comunicação
Voltar

© 2014-2016 Rádio Já - Emissora Panamazônica. Todos os direitos reservados